Banner de anúncio dentro de posts(topo)

Formação LitúrgicaLiturgiaParóquiaSalmista

Você fica nervoso para proclamar a Palavra? Veja estas dicas





Formação Litúrgica


PROCLAMADORES DE LEITURA
Tema: LITURGIA
Para os proclamadores de leitura umas dicas:
VOCÊ FICA NERVOSO PARA PROCLAMAR A PALAVRA?
Todo mundo fica nervoso, uns menos, outros mais, para desempenhar esta missão. O que fazer? Prepare bem, respire antes de começar, olhe com calma para a Assembleia e encoste a mão na estante para não tremer. O nervosismo diminui com o tempo. Mas ficar menos nervoso não significa que a leitura melhorará. Se você entrar em pânico, respire devagar e fundo. Não se esqueça de olhar para a Assembleia. Coloque as mãos sobre o Ambão (Altar da Palavra) para diminuir o tremor das mãos e sinta-se como um
instrumento de Deus naquele momento.
LER O TEXTO ANTES – Leia antes o texto em voz alta e várias vezes, ouvindo a própria voz. Assim, você entenderá bem o seu sentido e poderá dar a devida entonação a cada frase. Saber com antecedência quais palavras deve ressaltar, onde estão os pontos, as vírgulas, em quais termos poderá travar a língua ou equivocar-se. Eventualmente, marque intervalos, respiração, palavras difíceis, acentos. Grave a sua leitura. A única maneira de aprender a ler bem é ensaiar, de preferência ouvindo a si mesmo num gravador. Você deve entender o que está lendo. A equipe Celebrativa e a Equipe de Liturgia poderá ajudá-lo a compreender melhor o que vai proclamar.
LER COM CONVICÇÃO – O fundamental para uma boa leitura é a convicção. O
proclamador da Palavra precisa passar a convicção de que acredita naquilo que está lendo. Para isso, ele precisa rezar o texto antes.
APROXIMAR-SE DO AMBÃO COM CALMA E RESPEITO – Ao aproximar-se do local da Leitura, faça-o com respeito e calma, caminhando lentamente e sem chamar a atenção para si. Quando for proclamar a Primeira Leitura, o Leitor segue para diante ao altar e faz a reverência sozinho. Ao dizer “Palavra do Senhor” e o povo responder “Graças a Deus”, segue o Leitor para diante do altar e ali já deve estar esperando quem vai proclamar o Salmo. Ao final, quando se canta ou repete duas vezes a estrofe do Salmo, aquele que vai proclamar a segunda Leitura já segue para diante do altar e junto com o Salmista, faz a reverência diante dele. Quando aquele que proclamou a segunda Leitura diz “Palavra do Senhor” e o povo responder “Graças a Deus”, dirige-se para diante do altar onde o sacerdote o esperará para os dois fazerem a reverência e o padre, depois, proclama o Evangelho.
POSTURA DIGNA – Quando você está diante do ambão, tome cuidado com a posição do corpo. Não se trata de ficar rígido como uma estátua, mas também você não deve ler, por exemplo, com a mão no bolso. Se você faz gestos fora,do contexto (balançar as mãos, coçar o nariz, passar as mãos nos cabelos, etc.) vai distrair a assembleia. É o que a gente chama de “ruído” litúrgico. Se o pé está doendo, deixe doer. Se não houver ambão,
escolha um lugar bem visível. Não se esconda.
O BOM USO DO MICROFONELogo ao chegar, verifique com calma se seu microfone está ligado (a chavinha deve estar para cima).
IMPORTANTE: Regule o microfone antes da celebração. Nunca bata nem sopre no microfone para experimentar. Use somente a voz para testar. Se o microfone parar de funcionar, continue normalmente a leitura, apenas fale mais alto.
LEIA COM BOA VELOCIDADE – Não leia rápido demais. Também não leia muito
lentamente, com pausas prolongadas, para não entediar os ouvintes. O principal defeito do proclamador da Palavra é de ler muito depressa.
OBSERVE A ACÚSTICA – Dependendo da acústica da igreja, o som ressoa muito alto e confuso. Faz eco. Neste caso, para que todos entendam leia devagar e pausadamente.
IMPORTANTE Ao chegar ao ambão, respire antes de começar a ler, mire a assembleia e a acolha com o olhar e com um suave sorriso.
LEIA COM BOA INTENSIDADE –Se ler muito baixo, as pessoas que estiverem distantes não entenderão as palavras e deixarão de prestar atenção. Também não deverá ler muito alto porque, além de se cansar rapidamente, poderá irritar os ouvintes.
EXPRESSIVIDADE –Colocar expressão e sentimento na leitura. Observe que o tom de voz é diferente quando se está narrando alguma coisa e quando se está pronunciando a palavra de alguém.
OLHAR PARA O POVO – O olhar não deve estar o tempo todo fixo no livro, mas de vez em quando, levantá-lo e dirigi-lo com tranquilidade aos que escutam a Palavra e deixá-la chegar ao coração. Ao final da leitura, levante os olhos, faça uma pausa, fite as pessoas para então dizer: “Palavra do Senhor”. E não saia ao Ambão antes da resposta do povo: “Graças a Deus”.
O COMEÇO DA LEITURAVocê começa dizendo: “Leitura dos Atos dos Apóstolos”. Não precisa falar “Primeira” ou “Segunda” leitura e nem dizer Capitulo e Versículos.

SALMISTA
A FUNÇÃO DO SALMISTA NAS MISSAS
“O servo de Cristo cante de tal forma que não se deleite na voz, mas nas palavras que canta.”*(São Jerônimo)
Tão importante quanto a função do leitor, que proclama a Palavra de Deus, a função de cantar o Salmo Responsorial, após a primeira leitura, é também um gesto sacramental, sinal sensível da presença de Deus. É uma leitura-proclamação, que deve ser cantada de preferência, como um prolongamento meditativo da leitura proclamada. *O Salmista coloca-se a serviço de Deus, emprestando-lhe sua voz, sua comunicação, seus gestos, sua pessoa.* E coloca-se a serviço da comunidade reunida em assembleia para ouvir a Palavra.
O Salmo responsorial ou ‘Salmo de resposta’ “é parte integrante da liturgia da palavra”. É, na realidade, uma leitura cantada. Uma “leitura” distinta das demais proclamadas na liturgia, pois sua estrutura literária é essencialmente lírica e poética. Consequentemente, cabe ao(à) Salmista, mais do que cantar, “proclamar” o Salmo na estante da Palavra, pois aqui é o lugar onde Deus dirige sua Palavra ao povo reunido.
Não devemos cantar o Salmo no local do grupo de canto, mas sim do Ambão (mesa da palavra). Em diversos encontros de liturgia e canto pastoral já foi colocada a seguinte questão: poderia o próprio instrumentista, lá do seu lugar, onde está o grupo de canto, tocar e cantar o Salmo? Não é liturgicamente o mais adequado, primeiro, porque os documentos da Igreja insistem em que “Cada um, ao desempenhar sua função, faça tudo e só aquilo que pelas normas litúrgicas lhe compete.” (Sacrosanctum Concilium). Salmodiar requer um dom especial e é um ministério próprio. Depois, porque o *Salmo Responsorial deve ser proclamado do ambão ou da estante da Palavra, como as demais leituras.*
Trata-se, portanto, de um conjunto de atitudes a serem assumidas por quem canta o Salmo, para que seja expressão do Deus vivo que fala à comunidade, e ao mesmo tempo, resposta orante do povo à Palavra ouvida. O Salmista coloca-se a serviço de Deus, emprestando-lhe sua voz, sua comunicação, seus gestos, sua pessoa. O modo como se dirige ao ambão, seu olhar, seus movimentos, sua dicção, o tom e a modulação da voz, enfim todo o modo de cantar e de ser, toda a postura do corpo. Movido (a) pelo Espírito, o (a) Salmista proclama com os lábios e o coração a mensagem do texto bíblico, para que o povo escute e acolha o que a Igreja lhe diz naquele dia.
Da parte da assembleia, ela deve ter “os olhos fixos” em quem proclama cantando o Salmo (Lc 4, 20), sem acompanhá-lo, assim como as demais leituras, pelo folheto ou mesmo pela Bíblia. Ele deve ser proclamado do Lecionário Dominical, nossa “Bíblia Litúrgica”, segundo Dom Clemente Isnard.
Através dos Salmos aprendemos a suplicar e agradecer, a pedir perdão e louvar, a confiar, rezar e cantar. Herança rica recebida do judaísmo, o Salmo é um dos mais antigos cantos que foram incorporados à liturgia cristã, reinterpretado à luz do Mistério Pascal de Jesus Cristo pelas comunidades primitivas, alimentando nossa fé e nossa espiritualidade. Esquecido por séculos, felizmente foi resgatado pelo Concílio Vaticano II, como “parte integrante da liturgia da palavra”, não devendo ser substituído por outro canto qualquer, porque tem valor de leitura bíblica.
Geralmente, o canto do Salmo vem acompanhado de instrumentos musicais, embora isto não seja necessário. Inclusive vale lembrar que, principalmente no Salmo e nos cânticos bíblicos, os instrumentos deverão ser muito discretos. O que deve ser ouvida é a voz do Salmista proclamando o texto sagrado. Os instrumentos deverão apenas apoiar, acompanhar discretamente, sem se sobrepor ao canto, sem impor seu ritmo, principalmente durante os versos cantados pelo Salmista. Por causa de seu caráter de leitura cantada, a melodia para os versos do Salmo deverá ser de preferência bastante simples, do tipo recitativo.
O Salmista canta as estrofes e a assembleia canta o refrão,*mas quando não é possível se pode proclamar as estrofes, e a assembleia canta o refrão. O refrão do Salmo é próprio da assembleia; é a resposta da assembleia às leituras proclamadas. O Salmista não deve cantar o refrão. O Salmista deve proceder da seguinte maneira: no começo, cantar o refrão duas vezes para a assembleia aprender a melodia; em seguida cante as estrofes normalmente, e deixar a assembleia cantar o refrão. Sempre que possível, o Ministério de Música deve ensaiar o refrão do Salmo com o povo, antes do início da Missa.
Importante destacar que o Salmista é um leitor que canta. O Salmista está proclamando a palavra de Deus, está emprestando sua voz a Ele, por isso o Salmo deve ser proclamado do ambão. Por esta razão, sempre que isto for possível, o Salmista deve ficar junto com os leitores. Neste dia o ministro deve atuar somente como Salmista, e não retornar ao grupo de canto para continuar cantando até o final da Missa. Nas Paróquias onde isto seja possível, que assim seja feito, pois cada um deve ter apenas uma função litúrgica.
Dois são os modos de executar o canto do Salmo:
1) A forma responsorial, em que o Salmista propõe o refrão, cantando-o sozinho, a seguir repetido pela comunidade, e cantando as estrofes, geralmente em forma livre, numa espécie de recitativo, ouvidas e acolhidas pela assembleia, que participa no refrão;
2) A forma direta, em que o Salmo é todo cantado pelo solista, sem interferência nem participação da assembleia, que só escuta. De preferência seja usada a primeira forma, por promover uma participação ativa (canto) e passiva (escuta) da comunidade celebrante.
O Salmista deve se preparar com cuidado, compromisso e espiritualidade.
Como?
1º passo: Ler! Ler e reler o texto (Salmo responsorial), baixinho e em voz alta, escutar o texto (alguém está falando!). Prestar atenção a cada palavra, às ideias, às imagens, ao ritmo, à melodia. Tentar entender o texto (no contexto em que foi escrito). Se for possível, recorrer também a um bom comentário de um biblista.
2º passo: Meditar! Repetir o texto com a boca, a mente e o coração: não “engolir” logo o texto, e sim, “mastigar”, “ruminar”, tirando dele todo o seu sabor; não ficar só com as ideias que contém, mas deixar as próprias palavras mostrarem a sua força: aprender de cor (= de coração!) pelo menos uma parte do texto. Penetrar dentro do texto, interiorizá-lo; compreender, interpretá-lo a partir de nossa realidade; identificar-se com ele: perceber como o texto expressa nossas próprias experiências, sentimentos e pensamentos. Principalmente no caso dos Salmos, estas experiências podem ser entendidas também como se referindo a Jesus Cristo.
3º passo: Orar! Deixar brotar de dentro do coração, tocado pela Palavra, uma resposta ao Senhor. Dependendo da leitura e da meditação feitas, poderá ser uma resposta de admiração, louvor, agradecimento, pedido de perdão, compromisso, clamor, pedido, intercessão.
4º passo: Contemplar! A Bíblia não usa o verbo contemplar, e, sim, escutar, conhecer, ver. Trata-se de saborear, “curtir” a presença de Deus, o jeito de ele ser e agir, o quanto ele é bom e o quanto faz para nós. Supõe uma entrega total na fé. Passa, necessariamente, pelo conhecimento de Jesus Cristo (“Quem me vê, vê o Pai!”), que se encontra do lado dos pobres.
Algum instrumento que acompanhe o Salmista, seja discreto e suave, servindo apenas de apoio, nunca se sobrepondo à mensagem do texto, que tem a primazia.
Requer-se do Salmista uma sólida formação bíblico-litúrgica, espiritual e musical.
Formação bíblico-litúrgica: O leitor deve ter um conhecimento mínimo da Bíblia: estrutura, composição, número e nome dos livros do Antigo e Novo Testamentos, seus principais gêneros literários (histórico, poético, profético, sapiencial etc.). Quem vai ler na missa precisa saber o que vai fazer e que tipo de texto vai proclamar. Além disso, precisa ter uma preparação litúrgica suficiente, distinguindo os ritos e suas partes, e sabendo o significado do próprio papel ministerial no contexto da Liturgia da Palavra. Ao leitor corresponde não só a proclamação das leituras bíblicas, mas também a das intenções da oração dos fiéis e outras partes que lhe são designadas nos diversos ritos litúrgicos.
Formação Espiritual: A Igreja não contrata atores externos para anunciar a Palavra de Deus, mas confia este ministério aos seus fiéis, porque todo serviço à Igreja deve proceder da fé e alimentá-la. O leitor, portanto, precisa procurar cuidar da vida interior da Graça e dispor-se com espírito de oração e olhar de fé. Esta dimensão edifica o povo cristão, que vê no leitor uma testemunha da Palavra que proclama. Esta, ainda que seja eficaz em si mesma, adquire também, da santidade de quem a transmite, um esplendor singular e um ministério atrativo. Do cuidado da própria vida interior do leitor, além do bom senso, dependem também a propriedade dos seus gestos, do seu olhar, do seu vestir e do penteado. É evidente que o ministério do leitor implica uma vida pública conforme os mandamentos de Deus e as leis da Igreja.
Formação técnica e musical: O leitor deve saber como chegar ao ambão e posicionar-se nele, como usar o microfone e o lecionário, como pronunciar os diversos nomes e termos bíblicos, de que maneira proclamar os textos, evitando uma leitura apagada ou enfática demais. Precisa ter clara consciência de que exerce um ministério público diante da assembleia litúrgica: sua proclamação, portanto, deve ser ouvida por todos. Ao se formar tecnicamente é bom que o leitor se lembre de que: *(I) Não é aluno de teatro (ator) ou candidato a locutor de rádio ou televisão; (II) Ter o cuidado para não assumir atitude de pose, de arrogância, de vaidade pessoal, de “querer aparecer”, e (III) De acatar com humildade as observações de seu formador ou da coordenação ou do Sacerdote que estiver presidindo a Eucaristia.* Esta tripla preparação deveria constituir uma iniciação prévia à assunção dos leitores, mas depois deveria continuar sendo permanente, para que os costumes não se percam. Isso vale para os ministros de qualquer grau e ordem. É muito útil para o próprio leitor e para a comunidade que todo leitor tenha a coragem de verificar se ele tem todas estas qualidades e, caso elas diminuam, ele deve saber renunciar a esta função com honradez.
Podemos aqui acrescentar algumas recomendações quanto à Postura: O leitor nunca deve ler com as mãos nos bolsos ou para trás, ou na cintura. Pouse as mãos nas laterais do ambão.
Cuidado com os trajes: devem ser decentes, discretos, compatíveis com o respeito que se deve ter pela celebração na Casa de Deus. Às mulheres se pede especial cuidado com roupas muito curtas, ou blusas decotadas, ou cores espalhafatosas, tecidos transparentes, ou que deixem as costas nuas, ou coladas demais ao corpo, transmitindo sensualidade, além do uso excessivo de joias e maquiagem.
Para os homens valem os mesmos conselhos em nome da sobriedade: evitar o uso de bermudas ou sandálias de dedos, camisas de times de futebol, grupos seculares de rock ou estampas com logomarcas ou fotos ou ilustrações de causas externas à Igreja de Cristo. Para todos não se permite o uso de bebidas alcoólicas ou de cigarros minutos antes do início da celebração. Programe o seu horário, e não chegue atrasado, suando, afobado, com pressa, pois tudo isso influencia na celebração.
Realizar este ministério é certamente uma honra, e na Igreja isso sempre se considerou assim. Não é um direito, mas um serviço em prol da assembleia litúrgica, que não pode ser exercido sem as devidas habilitações, pela honra de Deus, pelo respeito ao seu povo e pela própria eficácia da liturgia.
“Cantar no Espírito” supõe preparação anterior, evitando-se a improvisação. Devemos cantar, salmodiar e louvar ao Senhor mais com o espírito do que com a voz.

Redação da PASCOM CATEDRAL DE COROATÁ
Pesquisa, Edição e Publicação: Auzenir Silva e  PASCOM de Presidente Dutra 
Fontes da Pesquisa:

#PASCOM – Pastoral da Comunicação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Banner abaixo da matéria